Início Facebook Site E-mail

sábado, 25 de maio de 2013

MAQUIAGEM NA CHINA ANTIGA


Na China Antiga, particularmente na dinastia TANG, a maquiagem feminina era executada em sete etapas: a primeira etapa consistia na aplicação de uma base em forma de pó sobre a qual uma cor deveria ser colocada. Depois disto, as sobrancelhas deveriam ser escurecidas e um toque dourado ou flores cintilantes e douradas deveriam ser acrescentadas na testa. Em seguida, covinhas deveriam ser desenhadas, as faces deviam ser coloridas e, por fim, os lábios deveriam ser maquiados.

Se os olhos são as janelas da alma, os lábios são o espelho do caráter e do temperamento. De extrema importância para o embelezamento do rosto, a maquiagem dos lábios tem uma longa história e variou ao longo das diferentes épocas. Acredita-se que a maquiagem dos lábios, em sua origem, era praticada para agradar aos deuses em ocasiões religiosas. Ao longo do tempo a maquiagem da boca era inclusive reveladora do status social de seu portador.

Na China antiga, os produtos de beleza consagrados aos lábios eram comumente denominados “bálsamo para lábios’ ou “bálsamo para boca’ como está indicado no dicionário chinês “Shiming” escrito por Liu Xi na dinastia dos Han Orientais (25-220).
Durante este primeiro período, o bálsamo para os lábios, assim como a maior parte dos outros produtos de maquiagem, era tipicamente, mas não exclusivamente, usado pelas mulheres. Esta mistura pastosa e colante era aplicada para aliviar lábios machucados ou desidratados por causa do ar seco, baixas temperaturas ou vento. O primeiro objetivo deste produto era formar uma camada na superfície dos lábios para que estes conservassem a umidade, protegendo-os assim da exposição exterior.


No passado, a matéria de base era o ‘Vermillon (pigmento vermelho usado na antiguidade) cuja composição química é sulfureto  de mercúrio  (HgS). Esta substancia era produzida nas províncias do Hunan, do Guizhou e do Sichuan e fornecia a cor perfeita para ‘lábios ideais’. Entretanto, por faltar um produto que fornecesse uma forte adesão, o vermillon se dissolvia com facilidade em lábios carnudos e o brilho vermelho não durava muito tempo.



Notando isto, os chineses passaram a acrescentar cera mineral e gordura animal ao produto, a fim de tornar o vermillon resistente à água e lhe proporcionar forte poder adesivo.
O primeiro bálsamo labial não se parece nada com os batons atuais. Ele era em forma de pasta que era guardada em um recipiente distinto.

Depois das dinastias Sui (589-618) e Tang (618-906), alguns bálsamos labiais foram transformados em uma substancia sólida de forma tubular. Com este formato mais prático, o bálsamo adquiriu grande popularidade e sua produção não sofreu grandes mudanças até os tempos modernos.   



Na China antiga, o bálsamo labial possuía também sabores incríveis. Na Dinastia do Norte (589-618), os ingredientes de base incluíam cravo e ageratum (planta herbácea de cultivo anual). Durante a dinastia Tang, perfumes artificiais foram acrescentados aos bálsamos.


Observação : O vermillon (alpha HgS) é produzido através da síntese (por via seca ou úmida) do enxofre e do mercúrio.

Tradução Livre realizada por Kris Xiva do artigo “Maquiagem, um toque de vermelho para seduzir”  de autoria de MICHELEM, para  Chine Informations

3 comentários:

  1. Bom dia! Adorei o post! Muito interessante as informações que você passou! Procurarei por outras no seu blog, espero encontrar! Bjos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia! Caso não encontre, me fale o assunto que tentarei pesquisar e elaborar posts direcionados aos temas que lhe interessarem.

      Excluir
  2. ok, muito obrigada por enquanto! Estou achando outros posts sobre a História da Maquiagem fantásticos aqui!

    ResponderExcluir